sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Sânscrito com pequeno dicionário




SÂNSCRITO 

O sânscrito é uma língua originária da Índia, com uso litúrgico no Hinduísmo, Budismo, Jainismo. O sânscrito faz parte do conjunto das 23 línguas oficiais Índia. Com relação à sua origem, a língua sânscrita é uma das línguas indo-européias, pertencendo, portanto, ao mesmo tronco lingüístico de grande parte dos idiomas falados na Europa. Um dos sistemas de escrita tradicionais do sânscrito é o devan?gar?, uma escrita silábica cujo nome é um composto nominal formado pelas palavras deva ("deus", "sacerdote") e n?gar? ("urbano(a)"), que significa "[escrita] urbana dos deuses".
O sânscrito foi registrado ao longo de sua história sob diversas escritas, visto que cada região da Índia possui uma escrita e uma tradição cultural particularmente diferenciada. A escrita devanágari (seu nome, em português, é acentuado como proparoxítona) acabou-se tornando a mais conhecida devido a ser a mais utilizada em edições impressas de textos originais.
É uma das línguas mais antigas da família Indo-Européia. Sua posição nas culturas do sul e sudeste asiático é comparável ao latim e o grego na Europa e foi uma proto-língua, pois influenciou diversas outras línguas modernas. Ela aparece em forma pré-clássica como o sânscrito védico, sendo o idioma do Rigveda o seu estado mais antigo preservado, desenvolvido em torno de 1500 a.C.[1]; de fato, o sânscrito rigvédico é uma das mais antigas línguas indo-iranianas registradas, e um dos membros mais antigos registrados da família de línguas indo-européias[2]. O sânscrito é também o ancestral das linguagens praticadas da Índia, como o Pali e a Ardhamgadhi. Pesquisadores descobriram e preservam mais documentos em sânscrito do que documentos em latim e grego. Os textos védicos foram escritos em uma forma de sânscrito.
A linguagem Sânscrita, seja qual for sua idade, é de uma linda estrutura; mais perfeita que o Grego, mais copiosa que o Latim, e mais precisamente refinada que os dois, ainda compartilha com ambos uma forte afinidade, tanto nas raízes dos verbos quanto nas formas de gramática, mesmo que possivelmente tenha sido criada por acidente; é, na verdade, tão forte, que nenhum filólogo poderia examinar as três sem acreditar que tenham nascido de uma fonte comum, que, talvez, nem exista mais
PEQUENO DICIONÁRIO SÂNSCRITO

Atma – O “eu”. Pode referir-se ao corpo, à mente ou à alma.
Acharya – Mestre espiritual que ensina através do exemplo.
Arati – Cerimônia de adoração para o prazer de Sri Krishna.
Ashrama – (1) Domicílio para aquele que se ocupa estritamente na execução da vida espiritual, (2) designação para as quatro divisões de desenvolvimento do ciclo da vida humana.
Ashtanga-yoga – O caminho óctuplo da yoga.
Asura – O oposto de uma pessoa divina (sura). Uma pessoa demoníaca.
Avatara – Alguém que descende do mundo espiritual. Uma encarnação do Senhor.

Bhagavad-gita – A canção de Deus (bhagavan - Deus; gita - canção).
Bhaktivedanta – A meta (antah) de todo o conhecimento (veda) é o serviço devocional à Krishna (bhakti) ou “a conclusão dos vedas é bhakti”.
Bhajan – Adoração a Krishna por meio de uma canção, normalmente realizada sentado.
Bhakta  – Um devoto.
Bhaktin – Uma devota.
Bhoga – Alimento ou comida preparada, antes de oferecê-la para o prazer de Krishna.
Brahmachari – Estudante celibatário ou monge (usa roupa cor açafrão).
Brahman – A irradiação espiritual da Suprema Personalidade de Deus, Krishna.
Brahmana – Um professor sacerdotal da vida espriritual.
Brahma-muhurta – Período auspicioso de aproximadamente 1 hora e meia antes do amanhecer, que é muito favorável para as práticas espirituais.

Charanamrita – O líquido nectáreo com o qual se banha as Deidades.

Dandavat – Reverências prostradas. Cair como uma vara (danda) no chão.
Darshan – (literalmente: “ver”). Quando o devoto está na frente do guru ou das Deidades e é visto por eles e abençoado com compreensão e avanço espiritual.
Dashavatara – As dez encarnações de passatempos do Senhor Krishna.
Deva – Semideus ou pessoa divina (literal “div”- brilhar, por isso “deva” , “iluminado”).
Dharma – Religião. O que faz a índole de uma coisa ou de uma pessoa. Sanatana-dharma se refere ao dharma eterno da entidade viva, ou seja, o eterno servo de Deus.
Dhoti – A roupa inferior do corpo de um devoto.
Diksha – “Iniciação”. A cerimônia formal da aceitação de um mestre espriritual como amigo e mestre vitalício. Nesta ocasião promete-se seguir até o fim da vida os 4 princípios regulativos e cantar pelo menos 16 voltas.

Ekadashi – Um dia especial para incrementar a lembrança em Krishna, e que acontece duas vezes ao mês (11 dias após a lua nova e 11 dias após a lua cheia). Neste dia jejuamos de todos os grãos e leguminosas.

Gayatri-mantra – O mantra que o devoto medita mentalmente após sua segunda iniciação.
Ghee – Manteiga purificada ou clarificada.
Gopi – A transcendental vaqueirinha que dá um exemplo máximo de devoção à Krishna.
Gopa – Amigo vaqueiro transcendental de Krishna.
Grihastha – Devoto casado (usa roupa branca).
Gunas – Os 3 modos do mundo material: sattva – bondade; rajas – paixão e tamas - ignorância.
Guru – Um mestre espiritual autêntico (literalmente guru significa “pesado”, carregado com conhecimento espiritual.
Guru-kula – A “casa do guru” ou uma esola.

Hari nama – Canto congregacional dos santos nomes num lugar público em sankirtana em favor de todos os participantes.

Ista-goshthi – (Literalmente “falar sobre Krishna”) Uma discussão entre devotos cuja meta é ajudar-se mutuamente no caminho da compreensão espiritual.

Jagad-guru – Guru de todo o mundo. Usado somente para Srila Prabhupada.
Japa – Recitação constante dos santos nomes do Senhor.
Jaya – “Todas as glórias!”
Jñana – Conhecimento.

Kala – Tempo eterno.
Kali – Deusa da energia material.
Kali-yuga – A era de desavenças.
Karma – (1) Atividade material baseada na regulamentação das escrituras. (2) Atividade para manutenção do corpo material. (3) Toda atividade material que provoca uma reação, e (4) reação material baseada em atividades fruitivas.
Karmi – Pessoa ocupada no processo acima na atividade fruitiva.
Karatalas – Pequenos címbalos de metal de sino (literalmente “kara” - mão, “tal” - sino).
Kirtana  – Cantar o santo nome do Senhor.
Kurta – Camisa usada por devotos.

Lakshmi – A deusa da fortuna; ou dinheiro quando usado para Krishna.
Lila – Passatempos do Senhor e dos Seus devotos puros.

Mahaprabhu – Um nome de Sri Chaitanya, o mestre (prabhu) supremo (maha - grande). Maha-prasadam  – Prasadam oferecida diretamente às Deidades no altar.
Mangala – Auspicioso.
Mantra  – Um hino ou som transcendental, que liberta a mente (“manah”) de (“trayate”) encobrimento material.
Maha-mantra – O mantra supremo, o mantra Hare Krishna.
Maya – A energia ilusória de Krishna, que leva as entidades vivas a esquecer o Senhor Supremo.
Mayapur – O lar transcendental (“dhama”), onde Sri Chaitanya apareceu e permanece eternamente.
Mayavadi – Impersonalistas ou nihilistas que crêm que Deus não tem forma e personalidade.
Mridanga – Tambor de dois lados com som muito doce e usado em kirtanas.
Mukti – Liberação. Narayana – Um nome de Krishna na sua forma de quatro braços a qual preside o mundo espiritual.

Omkara – A sílaba sagrada “om” que representa Krishna e é recitado pelos transcendentalistas para atingir o Supremo ao executar sacrifícios, beneficiências e penitências.

Pandavas – Os cinco filhos do rei Pandu: Yudhishthira, Bhima, Arjuna, Nakula e Sahadeva.
Pañcatattva – As cinco verdades (Sri Chaitanya, Sri Nityananda, Sri Advaita, Sri Gadadhara e Srivasa)
Param Brahman – O Brahman Supremo, Krishna, a Suprema Personalidade de Deus.
Paramatma – A Superalma (param - o Supremo, atma - alma) o aspecto localizado do Senhor no coração de todos os seres vivos.
Parampara – Sucessão discipular, pela qual se transmite conhecimento espiritual.
Prabhu  – “Mestre”. Um devoto representa o mestre Supremo, Mahaprabhu e por isso responde pelo nome de prabhu, apesar dele se considerar o humilde servo dos outros. Os devotos referem-se entre si respeitosamente como “prabhus” e estão sempre prontos em trocar gentilizas entre si.
Prabhupada – (1) O mestre (prabhu), a cujos pés (pada) refugiam-se todos os outros mestres. (2) O mestre espiritual que assume a posição (pada) de representante do Senhor Supremo, e (3) Prabhu também significa “mestre dos sentidos” tal como svami.
Prajalpa – Conversa fútil e mundana, inútil para todos.
Prasadam – “Misericórdia”, ou um conceito usado para comida ou qualquer objeto, oferecido primeiramente ao Senhor.
Prema – Amor verdadeiro por Deus.
Puja – Uma cerimônia para adoração do guru ou das Deidades, o executante chama-se pujari.

Radharani – Radharani é a potência interna de prazer de Krishna. Ela é a energia pessoal de Krishna e portanto não difere dEle. Seu nome deriva da palavra aradhana, “prestar adoração” - Ela é a melhor adoradora e devota de Krishna.
Rama – (1) O nome da Verdade Absoluta como fonte de prazer espiritual. (2) Encarnação do Senhor como um rei perfeito (Sri Ramacandra) e (3) Uma abreviação de “Balarama , um dos nomes do Senhor.
Rasa – Sabor, relação entre o Senhor Supremo e as entidades vivas.

Sadbuja            - a forma de seis braços do Senhor Chaitanya.
Sadhu – Santo, devoto.
Samadhi – Absorção em consciência de Krishna.
Sankirtana – A glorificação congregacional do Senhor pelo canto, dança ou outro tipo, difundindo as górias do Senhor.
Sannyasi – Um mestre na ordem de vida renunciada, chamado reispeitosamente de “Maharaja”.
Sari – A roupa das devotas.
Shastra – Escritura revelada.
Shikha – Um tradicional tufo de cabelo atrás da cabeça, que diferencia um vaishnava (adepto do personaliamo) de um adepto do impersonalismo (como por exemplo as cabeças raspadas dos monges budistas).
Shloka – Uma unidade de verso sânscrito.
Srimad-Bhagavatam – O livro que descreve as belas histórias da Suprema Personalidade de Deus.

Tapasya – Aceitar por vontade própria condições que talvez não sejam muito confortáveis para o corpo, mas favorecem a vida espiritual.
Tilaka – Uma argila especial de rios sagrados (como Yamuna e Ganges), que marca o corpo de um devoto como um templo de Deus.
Tridanda – A vara (danda) usada por um sannyasi, feita de três varas de bambú amarradas, caracterizando que o corpo, a mente e as palavras são dedicadas exclusivamente ao serviço do Senhor. A pequena ponta superior curvada da danda mostra que sua alma também é rendida à Sri Krishna.
Tridandi Sannyasi – um devoto que tomou a iniciação sannyasa dos vaishnavas.

Vasudeva – pai de Krishna.
Vasudeva – Sri Krishna, o filho de Vasudeva.
Vaishnava – Devoto de Vishnu (Deus).
Vedas – Escrituras que se originam de Deus (literalmente “veda” significa conhecimento).
Vijñana – A ciência do serviço devocional pela qual a gente se reconhece como eterno servo de Krishna (conhecimento realizado).
Vishnu – Um nome de Krishna como mantenedor dos mundos materiais.
Vrindavana – O local dos passatempos transcendentais de Sri Krishna, manifestados quando Ele estava presente na terra há cerca de 5.000 anos. Literalmente “floresta” (vana) de arbustres de Tulasi (vrinda). Vyasasana – O assento (asana) de Vyasa ou do seu represenante.
Vyasadeva – O maior filósofo dos tempos antigos, que como encarnação autorizada do Senhor compilou as escrituras védicas.

Yajña – Sacrifício.
Yoga –  União com o Senhor.


Créditos à Ashram Vrajabhumi e a Vida Nativa.