domingo, 6 de fevereiro de 2011

O Terapeuta Holístico



O TERAPEUTA HOLÍSTICO


Terapeuta Holístico
O Papel do Terapeuta Holístico: Há muita confusão e desinformação em nosso país a respeito de qual é realmente o papel de um Terapeuta Holístico. O que ele faz? O que não faz? Qual é a extensão e qual é o limite da sua prática profissional?
Como devemos agir em relação aos clientes que o procuram?
A relação entre a medicina tradicional e as terapias holísticas.
Há uma tendência a se acreditar que Terapeutas Holísticos pretendem substituir médicos na prática da medicina. Não é este o caso. O médico tem um campo de atuação, enquanto nós Terapeutas Holísticos temos outro. Um não exclui nem substitui o outro. Ao contrário, ambos se complementam. Afirmam os Terapeutas Holísticos que os seres humanos ( o mesmo valendo para animais e plantas ), possuem não apenas um corpo físico, mas também um corpo energético, que o circunda e o interpenetra. E que este corpo energético é o que origina o próprio corpo físico afinal, como hoje os físicos sabem, matéria é energia condensada.
Afirmam também que se temos uma doença no corpo físico, temos um desequilíbrio ou bloqueio correspondente no corpo energético - também chamado de etérico -. Que toda doença se manifesta em ambos os corpos que, portanto, devemos tratar ambos.
Ora, o papel do médico é tratar do corpo físico e suas doenças. O do Terapeuta Holístico (também chamado de Terapeuta Energético), tratar do corpo energético e seus desequilíbrios e bloqueios.
Portanto, ambos os profissionais são agentes da saúde, mas de âmbitos diferentes dela: o primeiro, da saúde física, o segundo, da saúde energética.
Tratar somente o corpo físico com um médico é um tratamento incompleto. Da mesma forma, é incompleto tratar somente o corpo energético com um Terapeuta Holístico e deixar de tratar do corpo físico com um médico competente.
É por isso que ao falarmos em terapias holísticas, não devemos designá-las de terapias alternativas. Este termo é enganoso, pois causa a impressão de que são substitutas dos tratamentos médicos, de que são "alternativas" a eles. Porém, pelos motivos já expostos, esta é uma concepção errônea das terapias holisticas e o termo "alternativo" deve ser evitado. Um termo mais correto e que tem sido aos poucos adotados por diversos terapeutas holísticos é denominar seus métodos de terapias complementares. Ou seja, tratamentos que, realizados como complementos dos tratamentos médios, auxiliam e aceleram sem dúvida alguma, o processo de cura promovido pelos mesmos.
Também pelos motivos acima expostos, há um consenso entre terapeutas holísticos sérios de nunca recomendar a um cliente que, em caso de doença, abandone o tratamento médico tradicional. A recomendação de um terapeuta holístico neste caso deve ser a de que procure um médico de sua confiança, bom como faça, paralelamente, o tratamento energético.
Terapias holísticas não são formas de religião, nem são ligadas a religião alguma. Também não exigem o uso da fé para funcionarem, quer por parte do cliente, quer por parte do terapeuta. Não é preciso acreditar em nada. A experiência mostra que as terapias holísticas funcionam mesmo em clientes totalmente céticos.
Porém, um terapeuta holístico, pode, se o desejar, usar de imagens sagradas, orações e métodos correlatos para auxiliar no tratamento energético. As diversas formas de terapias holísticas não dependem delas para funcionarem, mas podem se valer delas como auxiliares. É comum em espaços de atendimento holístico, haver nas paredes imagens de Mestres e símbolos que se pense auxiliarem na harmonização energética.
O papel do terapeuta holístico é conscientizar o cliente de que todos os seus desequilíbrios energéticos são de sua própria responsabilidade, e são resultados dos seus próprios atos e postura na vida, que causam uma desarmonia entre a sua Personalidade e o seu Espírito.
Deve conscientizá-lo a assumir essa responsabilidade a fim de transformar sua vida, de desenvolver-se integralmente ( isto é, física, psicológica e espiritualmente ), de tornar-se um ser humano pleno e realizado. Pois saúde, no seu sentido holístico, é ser um ser humano desenvolvido e em harmonia com seu eu profundo e com o cosmos.
Assim, o terapeuta holístico busca incentivar o cliente buscar valores evolutivos sob os quais viver e a praticar a instrospecção, a fim de conhecer a si mesmo ("conhece-te a ti mesmo" pode ser considerado, neste sentido, a grande máxima da cura no sentido holístico).
 Porém, o terapeuta holístico não é um conselheiro nem um psicólogo. Não analisa a vida psicológica do cliente, nem fornece conselhos taxativos sobre como ele deve viver a sua vida, pois tem ciência de que ninguém pode saber o que é melhor para o outro. Pode, sim, dar sua opinião sobre alguma questão que seja levantada durante as sessões (muitas terapias holísticas têm a propriedade de trazer para o consciente, material psíquico oriundo do inconsciente). No entanto, a sua opinião deve ser dada menos como uma orientação de como viver a sua vida e mais como uma seta indicando o que o cliente deve buscar.
Terapeutas holísticos costumam ter a consciência de que cada um é responável pela sua saúde e que a cura está sempre dentro de si mesmo. Assim, o terapeuta holístico, não vê a si mesmo como um curador. Vê-se como um facilitador da cura, auxiliando o cliente a curar-se a si mesmo. Sabem que toda cura, é na realidade, uma auto-cura.